Presença indígena no ensino superior brasileiro: possibilidades de diálogos interculturais e reflexões epistemológicas

Michele Barcelos Doebber

Resumen


Resumo: O presente artigo busca discutir sobre a presença de estudantes indígenas nas universidades brasileiras e as possibilidades de diálogo intercultural e epistemológico daí decorrentes. De que forma os conhecimentos indígenas se relacionam com os conhecimentos acadêmicos? Que relações são estabelecidas tendo em vista o diálogo entre diferentes racionalidades, cosmologias, processos de aprendizagem? Essas são algumas das questões que instigam a pesquisa realizada junto com estudantes indígenas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, ainda em fase inicial de produção. O estudo apresenta contribuições de Rodolfo Kusch (1999) que provoca a pensar sobre o modo de ser/estar e construir conhecimentos na perspectiva indígena. A partir das ideias de Santos (2007; 2008), busco compreender os novos movimentos que se dão na universidade, provocando rupturas no ethos universitário.   

 

Palavras-chaves: Educação; indígena; interculturalidade; pensamento; ameríndio.

 

Resumen: Este artículo discute acerca de la presencia de estudiantes indígenas en las universidades brasileñas y las posibilidades de diálogo intercultural y epistemológico resultante de la misma ¿Cómo se relacionan el conocimiento indígena con el conocimiento académico? ¿Qué relaciones se establecen con un diálogo entre diferentes racionalidades, cosmologías y procesos de aprendizaje? Estos son algunos de los temas que instigan la investigación junto con estudiantes indígenas de la Universidad Federal de Río Grande do Sul, todavía en las primeras etapas de la producción. El estudio presenta las contribuciones de Rodolfo Kusch (1999) lo que hace pensar en la forma de ser / estar y construir los conocimientos a partir de una perspectiva indígena. Sobre la base de las ideas de Santos (2007, 2008), busco comprender los nuevos movimientos que se producen en la universidad, lo que altera el ethos universitario.  

 

Palabras clave: Educación; indígena; interculturalidad; pensamiento; amerindio.

Texto completo:

PDF HTML

Referencias


Amaral, W. R. (2010). As trajetórias dos estudantes indígenas nas universidades estaduais do Paraná: sujeitos e pertencimentos. (Dissertação de doutorado não publicada). Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná. Paraná, Curitiba.

Bergamaschi, M. A. (2008). Ensino Superior Indígena: estudantes Kaingang e Guarani na UFRGS. In III Encontro Internacional de Pesquisadores de Políticas Educativas. Porto Alegre, UFRGS/FACED.

Bonin, I. T. (2012). Educação escolar indígena e docência: princípios e normas na legislação em vigor. In: Bergamaschi, M. A. et al (Orgs.) Povos indígenas e educação. Porto Alegre: Mediação.

Doebber, M. B. (2011). Reconhecer-se diferentes é a condição de entrada – Tornar-se igual é a estratégia de permanência: das práticas institucionais à constituição de estudantes cotistas negros na UFRGS. (Dissertação de mestrado inédito). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Ferrao-Candau, V. M. (2008). Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, 37 (13).

Garcia-Canclini, N. (2009): Diferentes, desiguais e desconectados: mapa da interculturalidade. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Gomes, N. L. (2012). Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Revista Currículo sem Fronteiras, 1 (12).

Kusch, R. (1999). Obras Completas, Tomo II. El pensamento indígena y popular em América. Santa Fé: Editorial Fundación Ross.

Kurroschi, A. R. y Bergamaschi, M. A. (2013): Estudantes indígenas na UFRGS: movimento que anuncia um diálogo intercultural. In: Rosado, R. M. et al (Orgs.). Presença indígena na cidade: reflexões, ações e políticas. Porto Alegre: Gráfica Hartmann.

Lima, A. C. (2012). Povos indígenas e ações afirmativas: as cotas bastam?. Opinião, 5. Rio de Janeiro.

Lima, A. C. y Barroso-Hoffmann, M. (2007). Seminário Desafios para uma educação superior para os povos indígenas no Brasil: políticas públicas de ação afirmativa e direitos culturais diferenciados. Rio de Janeiro: Museu Nacional/LACED.

Maffesoli, M. (2005). No fundo das aparências. Petrópolis, RJ: Vozes.

Mato, D. (2011). Universidades Indígenas de América Latina: Logros, problemas y Desafíos. Revista Andaluz de Antropología, 1, 63-85. Consultado em: http://www.revistaandaluzadeantropologia.org/uploads/raa/n1/dmato.pdf, em julho de 2014.

Paladino, M. (2013). Um mapeamento das ações afirmativas voltadas aos povos indígenas no ensino superior. In: M. A. Bergamaschi et al (Orgs.). Estudantes Indígenas no Ensino Superior uma abordagem a partir da experiência na UFRGS. Porto Alegre- RS, Ed. UFRGS.

Paladino, M. (2012). Algumas notas para a discussão sobre a situação de acesso e permanência dos povos indígenas na educação superior. Revista Práxis Educativa (7).

Paulino, M. M. (2008). Povos Indígenas e Ações Afirmativas: O caso do Paraná. (Dissertação de mestrado inédito). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Educação, Rio de Janeiro.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.